RISCOS DA CIRURGIA PLÁSTICA

Fonte - Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

FATOS IMPORTANTES SOBRE A SEGURANÇA E OS RISCOS

A decisão é pessoal. Só você pode decidir se a cirurgia proposta alcançará suas metas e se as complicações e riscos são aceitáveis. O cirurgião tem a obrigação de explicar-lhe com detalhe os riscos associados à cirurgia. Por esse motivo é necessário sua autorização por escrito no termo de consentimento informado e esclarecido para assegurar um correto entendimento da cirurgia a qual você será submetido.

Sinta-se livre para fazer perguntas. É natural sentir ansiedade, seja pela emoção/ entusiasmo pelo seu novo visual ou pelo estresse pré-operatório.

A sua parceria com o cirurgião não acaba quando termina a cirurgia. A relação deve continuar, mesmo porque os resultados da maioria dos procedimentos plásticos cirúrgicos são permanentes, porém podem ocorrer mudanças com o passar do tempo. Por isto as visitas regulares de seguimento da cirurgia são tão importantes.


SEGURANÇA DO PACIENTE

A evolução da cirurgia plástica nos últimos anos é incontestável. Paralelamente há uma crescente procura e conseqüente aumento no número quantitativo de cirurgias. O avanço tecnológico contribui para o incremento das opções a serem consideradas. Ao passo que a cirurgia plástica pode melhorar aspectos do corpo e da vida, existem riscos que não podem ser desprezados.

Certifique-se de que suas expectativas são realistas e pesquise antes de optar pela cirurgia.
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

PESQUISA REVELA

Fonte - Bibliografia

Estudo 1: 
Liposuction: 25 years of experience in 26, 259 patients using different devices.
Triana L, Triana C, Barbato C, Zambrano M.
Aesthet Surg J. 2009 Nov-Dec; 29(6): 509-12

Estudo 2:
Reduction of lipoplasty risks and mortality: an ASAPS survey.
Hughes CE.
Aesthet Surg J. 2001 Mar; 21(2): 120-7.
_________________________________________________________________________


Qualquer um que deseje realizar qualquer tipo de cirurgia deve ter ciência que há riscos sim. os cirurgiões plásticos e anestesistas sempre discutem esse tema e, inclusive, solicitam que cada paciente leia e assine o Termo de Consentimento Informado da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, que relata os riscos operatórios. A Medicina é uma ciência biológica e tem suas limitações, como tudo na vida. Entretanto, por se tratarem de cirurgias de topografia superficial – em geral, apenas pele e gordura, não envolvendo órgãos – o risco da Cirurgia Plástica é menor que da maioria das outras especialidades cirúrgicas.

Muito se especula sobre quais são esses riscos. É bastante comum a mídia brasileira tratar esse assunto de modo sensacionalista (para gerar audiência) e, dessa forma, promover uma percepção distorcida da realidade, condenando procedimentos seguros, sem nenhum embasamento real. Curioso notar que essa mídia é a mesma que impõe e também segue padrões estéticos distantes da maioria das mulheres e homens brasileiros, afetando sua autoestima.

Para esclarecer essa questão, vamos analisar a cirurgia mais envolvida nesta polêmica, a lipoaspiração. Foram publicados dois estudos sobre o risco de mortalidade em lipoaspiração num dos periódicos científicos mais respeitados no mundo pela comunidade acadêmica na área de Cirurgia Plástica. Num deles, concluiu-se que, a cada 100 mil lipoaspirações praticadas, ocorrem 10 complicações fatais, ou 0,01% ¹. No outro, chegou-se a 2,1 complicações fatais para cada 100 mil lipoaspirações realizadas, ou 0,002% ².
Risco de Mortalidade em Lipoaspiração para cada mil cirurgias:

Estudo 1 10: 100.000
Estudo 2 2,1: 100.000

Nesses estudos também se comprova que a causa mais comum desses acidentes fatais é o tromboembolismo pulmonar – TEP – que está relacionado com a trombose venosa profunda – TVP – condição associada a fatores de risco da paciente (ver a seguir), independentes da equipe médica. De fato, complicações fatais por erro médico, em se tratando de especialistas legítimos, são raras.

Entretanto, os números apresentados nos estudos são altos ou não? A Cirurgia Plástica é ou não segura? Para que você mesma possa tirar suas próprias conclusões, vamos apresentar outros índices conhecidos para servirem de referência, divulgados em 30 de março de 2010 no estudo Mapa da Violência 2010 – Anatomia dos Homicídios no Brasil.
Homicídios em 2007 para cada 100 mil habitantes:

No Brasil 25,2: 100.000
Nas capitais 36,6: 100.000
Entre jovens de 15 e 24 anos 50,1: 100.000

Outro indicador, sobre mortes por acidente de trânsito no Brasil em 2006, apurado pelo Ministério da Justiça, revela:

Acidentes automobilísticos no Brasil para cada 100 mil habitantes: 18,6: 100.000

Se fossem considerados apenas motociclistas, esses números seriam ainda mais alarmantes: segundo dados divulgados pelo Corpo de Bombeiros de São Paulo, morrem, em média, quase 2 (dois) motociclistas por dia, somente nesta capital.

É evidente que os estudos apresentados sobre lipoaspiração consideram que todas as medidas preventivas de segurança sejam tomadas. Esses riscos aumentariam significativamente se a cirurgia plástica:

1. Não for precedida por uma correta Avaliação Pré-Anestésica, conforme Res. CFM 1.802/06;

2. Não for realizada por um cirurgião plástico especialista, membro da SBCP;

3. Não for executada em adequado ambiente hospitalar.


Fonte - Bibliografia

Estudo 1:
Liposuction: 25 years of experience in 26, 259 patients using different devices.
Triana L, Triana C, Barbato C, Zambrano M.
Aesthet Surg J. 2009 Nov-Dec; 29(6): 509-12

Estudo 2:
Reduction of lipoplasty risks and mortality: an ASAPS survey.
Hughes CE.
Aesthet Surg J. 2001 Mar; 21(2): 120-7.